Couraçado Bismarck

Da Metapedia

Bismarck

O Bismarck foi o primeiro couraçado da classe homônima, que incluia também o Tirpitz, os maiores navios de guerra construído pelo Terceiro Reich para a Kriegsmarine. Baptizado em homenagem ao Chanceler Otto von Bismarck, um dos grandes responsáveis pela unificação da Alemanha em 1871. A construção do navio teve início nos estaleiros da Blohm & Voss em Hamburgo em 1º de julho de 1936, foi lançado 14 de fevereiro de 1939 e comissionado em 24 de agosto de 1940. Em sua primeira e única operação maio de 1941, no dia 24 enfrentou e afundou durante a Batalha do Estreito da Dinamarca o HMS Hood, o grande orgulho da Marinha Real Britânica, e forçou a retirada do HMS Prince of Wales (afundado pelos japoneses no mesmo ano na Península Malaia).

A destruição do Hood iniciou uma perseguição implacável pela Marinha Real, que envolveu dúzias de navios. Dois dias depois, enquanto navegava para o porto de Brest na França Ocupada, o Bismarck foi atacado por aviões torpedeiros Fairey Swordfish que decolaram do porta-aviões HMS Ark Royal (torpedeado pelo U-81 em 13 de novembro do mesmo ano); um dos torpedos atingiu a popa do navio, destruindo um dos lemes e seu mecanismo, tornando-o inoperável. O Bismarck foi destruído na manhã seguinte por navios ingleses.

Índice

Construção

Batismo e lançamento do Bismarck.

O Bismarck foi encomendado com o nome de Ersatz Hannover (Substituição do Hannover), um substituto do antigo couraçado SMS Hannover da Kaiserliche Marine (Marinha Imperial do Império Alemão) que passou a integrar a Reichsmarine (Marinha da República de Weimar). A licitação foi vencida pelo estaleiro Blohm & Voss de Hamburgo. Começou a ser construído em 1 de julho de 1936, batizado em 14 de fevereiro de 1939 e comissionado em 24 de agosto de 1940, quando capitão Ernst Lindemann assumiu o comando do navio.

O Bismarck tinha um deslocamento padrão de 41.700 t e um deslocamento carregado de 50.300 t, com 251 m de comprimento, largura de 36 m e calado de 9,9 m. Sua propulsão consistia em três turbinas a vapor Blohm & Voss e doze caldeiras Wagner que geravam 111.980 kW de potência e ajudavam o navio a chegar a 30,01 nós (55,58 km/h). Sua autonomia era de 8.870 milhas náuticas (16.430 km) a 19 nós (35 km/h). Tinha três radares FuMO 23 instalados nos telêmetros da proa e popa e no topo do navio.

Sua tripulação era composta por 103 oficiais e 1.962 marinheiros. A tripulação era dividida em doze divisões de 180 a 220 homens. As primeiras seis divisões cuidavam dos armamentos do navio; divisões um a quatro para as baterias primárias e secundárias, e divisões cinco e seis para a defesa antiaérea. A sétima divisão era formada por especialistas, incluindo cozinheiros e carpinteiros, e a oitava divisão cuidava do manejo das munições. Os operadores de rádio, sinaleiros e quartel-mestres formavam a nona divisão. As três últimas divisões eram compostas pelo pessoal da sala das máquinas. Quando o Bismarck deixou o porto de Hamburgo, oficiais da frota e correspondentes de guerra aumentaram sua tripulação total para 2.200 homens. A tripulação publicava um jornal chamado Die Schiffsglocke (O Sino do Navio).

O Bismarck era armado com oito canhões SK C/34 de 380 mm instalados em quatro torres de artilharia: duas dianterias – Anton e Bruno – e duas traseiras – Caesar e Dora. Sua bateria secundária consistia em doze canhões SK C/28 de 150 mm, dezesseis metralhadoras FlaK 38 de 105 mm, dezesseis SK C/30 de 37 mm e doze Flak 30 de 20 mm antiaéreas. A blindagem do navio tinha 320 mm de espessura e era coberta por conveses de 50 mm até 120 mm de espessura. Os canhões de 380 mm eram protegidos por uma blindagem de 220 mm até 360 mm.

Segunda Guerra Mundial

Operação Rheinübung

Em maio de 1941, foi criada uma força tarefa composta pelo couraçado Bismarck e o cruzador pesado Prinz Eugen durante a Operação Rheinübung. As embarcações deveriam sair da Polônia e atacar navios mercantes ingleses no Atlântico Norte.

Após o Bismarck deixar Gotenhafen, nas primeiras horas do dia 19 de Maio, os cruzadores-irmãos Norfolk e Suffolk, que patrulhavam o Estreito da Dinamarca, avistaram o Bismarck no dia 23 de Maio, dando a informação da localização do inimigo ao comandante da frota britânica, almirante John Tovey.

Sem demoras, este enviou o Hood e o Prince of Wales para o cerco ao Bismarck.

Última batalha

A última batalha do Bismarck ocorreu há aproximadamente 300 milhas náuticas ou 560 km a oeste de Brest na França, de 26 a 27 de maio de 1941. Em 24 de maio, antes da ação final, os tanques de combustível de Bismarck foram danificados e vários compartimentos de máquinas, incluindo o de caldeiras, foram inundados após a Batalha do Estreito da Dinamarca. Sua intenção era chegar ao porto de Brest para reparos. No final do dia, Bismarck girou brevemente para seus perseguidores (Prince of Wales e os cruzadores pesados Norfolk e Suffolk) para cobrir a fuga do cruzador pesado Prinz Eugen. No começo de 25 de maio, a marinha inglesa perdeu contato com Bismarck, que seguiu sentido ESE (és-sudeste) em direção a França, enquanto os ingleses buscavam no sentido NE, presumindo que estava retornando para a Noruega. Mais tarde, em 25 de maio, o Almirante Lütjens, aparentemente sem saber os inimigos o haviam perdido, interrompeu o silêncio do rádio para enviar uma mensagem codificada à Alemanha. Isso permitiu que os ingleses tringulassem a posição aproximada do Bismarck e as aeronaves foram despachadas para caçar o navio de guerra alemão. Ele foi redescoberta no final da manhã de 26 de maio pelo hidroavião Catalina do Esquadrão N ° 209 da RAF e em seguida por aeronaves da Força H que seguiam para norte desde Gibraltar.

A ação final começou no final do dia 26, primeiramente por ataques aéreos de bombardeiros torpedeadores do porta-aviões Ark Royal, que desabilitou o leme do Bismarck, que obrigou o navio a fazer círculos e impedindo sua fuga. Na manhã de 27 de maio o Bismarck foi atacado pelos couraçados ingleses King George V (cujos principais canhões eram de 360 mm) e o Rodney (canhões de 406 mm) apoiados por cruzadores. Após cerca de 100 minutos de batalha, Bismarck foi afundado possivelmente pela própria tripulação. Os navios de guerra da Royal Navy resgataram 111 sobreviventes do Bismarck, enquanto centenas de outros sobreviventes não foram recolhidos por uma suposta aparição de um U-Boot nas proximidades que fez os navios ingleses abandoram o local. Na manhã seguinte, um U-Boot e um barco meteorológico alemão resgataram mais cinco sobreviventes. Em 27 de maio alguns navios ingleses que se retiravam do local foram atacados por aeronaves da Luftwaffe, resultando na perda do destróier HMS Mashona perto da Irlanda.

Galeria de imagens

Ferramentas pessoais
Noutras línguas