Cientologia

Da Metapedia

Letra E.png
Este artigo ou secção necessita ser editado já que pode conter erros ortográficos, têm partes editadas em outro idioma, ou não possue uma linguagem ou estilo adequado de apresentação segundo o projeto Metapédia. Podes colaborar ajudando a corrigir o artigo, editando-o.

A maioria dos países da Europa considera a Cientologia uma seita.

Na Alemanha a Cientologia é monitorada nacionalmente pelo Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV). Em 1995 o Tribunal Federal do Trabalho da Alemanha (Bundesarbeitsgericht) determinou que a Cientologia não é uma religião nem uma ideologia. O Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV) monitora, entre outros, as atividades do Partido Nacional Democrata Alemão.

É público e notório que a Cientologia gasta milhões de dólares com advogados e detetives particulares para processar e espionar qualquer pessoa que se mostre uma ameaça aos seus negócios. A Cientologia foi condenada definitivamente na França em 2013 por fraude e formação de quadrilha, depois que o Tribunal de Cassação, a instância judicial mais importante no país, rejeitou o recurso apresentado pela organização. Os juízes, na sentença de fevereiro de 2012 do Tribunal de Apelação, consideraram provado que as duas principais entidades da Cientologia na França contavam com uma estrutura destinada a extorquir pessoas vulneráveis.[1]

A Justiça belga quer estabelecer um precedente internacional com uma condenação exemplar da Igreja da Cientologia, estabelecida na Bélgica desde 1974, acusada de fraude, violação da lei de proteção de dados pessoais (proteção da privacidade), extorsão e charlatanismo (exercício ilegal de medicina). O processo partiu de uma investigação que se prolongou por seis anos. Ofertas de emprego teriam sido feitas pela Igreja da Cientologia em Bruxelas para recrutar voluntários e novos membros, infringindo as rígidas leis trabalhistas belgas. A Igreja da Cientologia na Bélgica exigia aos interessados que aderissem aos seus princípios filosóficos.

As filmagens sobre a tentativa de assassinato de Adolf Hitler no filme Operação Valquíria, com Tom Cruise no papel principal, foram proibidas em área militar alemã (em torno do Memorial Bendlerblock, em Berlim), pelo fato do protagonista pertencer à Igreja da Cientologia. Além de ser o produtor, Tom Cruise fez o papel principal, interpretando Claus Schenk Graf von Stauffenberg, que tentou assassinar Adolf Hitler com uma bomba escondida em uma pasta em julho de 1944.[2] Na Alemanha membros da Cientologia estão constantemente sob vigilância do Bundesamt für Verfassungsschutz (BfV) (Escritório Federal para Proteção da Constituição), cujo trabalho é monitorar atividades antidemocráticas como partidos políticos neonazistas, células terroristas e seitas.[3]


Referências

Ferramentas pessoais