Plínio Salgado

Da Metapedia

Plínio Salgado
Pliniosalgado.jpg
Plínio Salgado.
Nascimento 22 de janeiro de 1895
Morte 08 de dezembro de 1975
Nacionalidade brasileira


Plínio Salgado (São Bento do Sapucaí, 22 de janeiro de 1895 — São Paulo, 08 de dezembro de 1975) foi um jornalista, intelectual, político, escritor, orador e filósofo brasileiro, fundador e principal líder da Ação Integralista Brasileira e Chefe Nacional do Integralismo, movimento tradicionalista, patriótico e nacionalista inspirado sobretudo no Evangelho, na Doutrina Social da Igreja e no pensamento de autores como Jackson de Figueiredo, Alberto Torres, Farias Brito, Euclides da Cunha, Tavares Bastos e Eduardo Prado.[1] O Integralismo se configurou como o maior movimento nacionalista da história do Brasil e reuniu uma pleiade incomparável de intelectuais, sendo considerado por Gerardo Mello Mourão o "mais fascinante grupo da inteligência do País".[2]

Preso e obrigado a se exilar em Portugal por Vargas, acusado de promover levantes contra sua ditadura estadonovista, Plínio Salgado ali estudou profundamente o pensamento tradicionalista hispânico (português e espanhol), proferiu algumas de suas mais importantes conferências, escreveu suas mais importantes obras religiosas e foi reconhecido pela intelectualidade católica como um dos maiores pensadores católicos de todos os tempos e um verdadeiro apóstolo brasileiro.[3][4]

De volta ao Brasil, ingressou no Partido de Representação Popular (PRP). Foi deputado federal por tal partido pelo estado do Paraná em 1958 e por São Paulo em 1962. Foi também, pelo mesmo partido, candidato à presidência da República, em 1955, obtendo cerca de 8% dos votos. Após o Movimento de 1964 e a extinção do PRP, Plínio se juntou ao partido político Arena e teve mais dois mandatos de deputado federal: um em 1966 e outro em 1970. Aposentou-se da vida política em 1974. Tomou parte no Modernismo em seu aspecto nacionalista e foi membro da Academia Paulista de Letras. Também fundou e dirigiu vários jornais.Juscelino Kubitschek reconheceu que tivera a ideia de construir Brasília inspirado pelo romance A Voz do Oeste, de Plínio Salgado.[5]

Biografia

Filho de coronel Francisco das Chagas Salgado e de professora Ana Francisca Rennó Cortez, Plínio foi uma criança muito ativa na escola e gostava principalmente de matemática e de geometria. Aos dezesseis anos de idade, seu pai veio a falecer. Plínio, após esse fato, veio a demonstrar grande interesse pela filosofia e psicologia

Aos vinte anos de idade, Plínio fundou um jornal semanal intitulado Correio de São Bento. Seus artigos o tornaram conhecido entre vários jornalistas da cidade de São Paulo, fato que levou-o a ser convidado para trabalhar no Correio Paulistano.

Três anos mais tarde, em 1918, Plínio começou a entrar na vida política, tendo fundado o Partido Municipalista. Naquele ano também, Plínio casou-se com Maria Amélia Pereira, e, no dia 6 de Julho de 1919, sua primeira filha, Maria Amélia Salgado, nasceu. Quinze dias mais tarde, sua mulher, Maria Amélia Pereira veio a falecer. Deprimido, Plínio Salgado buscou conforto no catolicismo. Essa busca por conforto também fez ele se interessar por obras de pensadores católicos brasileiros.

Plínio apenas voltou a casar-se dezessete anos mais tarde com Carmela Patti.

Notas

  1. Sobre as raízes do Integralismo, vide SALGADO, Plínio. O Integralismo na vida brasileira. In Enciclopédia do Integralismo, vol. I. Rio de Janeiro: Edições GRD/Livraria Clássica Brasileira, s/d.
  2. MOURÃO, Gerardo Mello. Entrevista concedida ao Diário do Nordeste. Disponível em: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=414001. Acesso em 27 de julho de 2010)
  3. (DOREA, Augusta Garcia R. Plínio Salgado, um apóstolo brasileiro em terras de Portugal e Espanha. São Paulo: Edições GRD, 1999)
  4. (BARBUY, Victor Emanuel Vilela. Plínio Salgado, arauto e apóstolo de Cristianismo de Brasilidade. In O Lince, nova fase, ano 4, nº 31, Aparecida-SP, jan/fev. de 2010, pp. 17)
  5. (KUBITSCHEK, Juscelino. Carta a Plínio Salgado. In Plínio Salgado: “In memoriam”, vol. I., cit., p. 223)

Ligações externas

Ferramentas pessoais
Noutras línguas