Richard von Coudenhove-Kalergi

Da Metapedia

Richard von Coudenhove-Kalergi

Richard Nicolaus Graf von Coudenhove-Kalergi (* 16 de novembro de 1894 em Tokio; † em 27 de julho de 1972 em Schruns/Voralberg, na Áustria), foi um político, funcionário da UE, publicista, escritor e fundador do movimento pan-europeu, também denominado como Plano Kalergi. [1]

Índice

Origem

Richard Coudenhove-Kalergi, de confissão católica, foi filho de Heinrich Graf Coudenhove-Kalergi, repesentante diplomático do Império Austro-Húngaro e de Mitsuko Aoyama, japonesa. A família Coudenhove-Kalergi tinha ascendencia em familias nobres de diversas origens, como a flamenga, grega, e polonesa.[2] . Em 1895 sua família mudou-se para Ronsperg, na Boêmia. Coudenhoove-Kalergi passou sua infância e juventude na Áustria, residiu na França, e tinha a cidadania checoslovaca.

Formação

Coudenhove-Kalergi tinha como residência o castelo Ronsperg (Schloß Ronsperg), na Boêmia. Estudou em Brixen, no Augustiner-Gymnasium e no Theresianum em Viena. Estudou filosofia e historia moderna na Universidade de Viena e doutorou-se (Dr. phil) em 1916. [2]

Atividades

Richard von Coudenhove-Kalergi criou o movimento a favor de uma Pan-Europa, idealizada por ele como uma Europa formada por uma população decorrente de uma mistura generalizada de raças. A administrção desta nova sociedade seria marcada pela influente presença da intelectualidade judaica. Kalergi, por sua vez era mestiço asiático, filho de mãe japonesa, e casado desde 1915 com a atriz judia Ida Roland. [3]

Em 1922 tornou-se membro da Humanitas, loja maçonica em Viena, e passou a divulgar sua idéia da união pan-européia. Em 1923 surgiu seu livro Paneuropa, e em 1924 seguiu o Manifesto Pan-europeu (Paneuropäische Manifest), no periódico Paneuropa. A idéia recebeu divulgação com a realização do seu primeiro congresso no ano de 1926, em Viena.

Com a adesão da Áustria ao Império Alemão, Coudenhove transferiu-se em 1938 para Preßburg (atual Bratislava), em seguida para Berna, e em 1940 para Nova Iorque. Lecionou história e palestrou em seminários destinados a promover a idéia da federação européia. Em 1944 apresentou um esboço constitucional dos "Estados Unidos da Europa" a Franklin Delano Roosevelt, Stalin e Churchill. Em 1946, Churchill defendeu em discurso elaborado por Kalergi, a criação da federação pan-européia com a denominação de "Estados Unidos da Europa".

Em 1947 Kalergi tornou-se secretário-geral da "União Européia Parlamentar", por ele fundada. Promoveu congressos no mesmo ano em Gstaad e no ano seguinte em Interlaken, com a presença de políticos, entre os quais Paul Reynaud, Pierre Pflimlin, René Coty, Robert Boothby e Duncan Sandys. Em 18 de maio de 1950 foi o primeiro agraciado com a medalha do Karlspreis (Internationaler Karlspreis für europäische Verständigung), entregue anualmente pela cidade de Aachen, na Alemanha, em mérito à atividades pró “entendimento e união pan-europeia”.

Coudenhove considerava a existência de dois Estados alemães como um fato fundamental, e exigia o reconhecimento internacional para esta realidade, mesmo sem tratado de paz para a Alemanha. Considerava ainda De Gaulle como o único estadista de “pensamento europeu” da atualidade.

Nos últimos anos afastou-se de discussões públicas, porém em novembro de 1969, por ocasião de seu 75° aniversário apelou aos governos da Comunidade Européia por novos esforços para a obtenção de uma união política européia Repetiu estes apelos em março de 1970.

Em 1969 foi publicada sua biografia pela editora A. Lutzeyer Verlag, com prefácio de Rolf Italiander. Em abril de 1970 Coudenhove sugeriu novamente ao então presidente do Parlamento Europeu, Mario Scelba, a criação de uma constituinte européia. Em janeiro de 1971 publicou seu livro Weltmacht Europa (Potência mundial Europa), com prefácio de Franz Josef Strauß.

Morte

Coudenhove faleceu em 27 de julho de 1972 em decorrência de acidente vascular cerebral. Residente em Basel, encontrava-se em férias em Schruns na Áustria.


Notas de rodapé

  1. Internationales Biographisches Archiv 38/1972
  2. 2,0 2,1 Munzinger-Archiv GmbH, 1972
  3. David Korn: Wer ist wer im Judentum? - FZ-Verlag ISBN 3-924309-63-9
Ferramentas pessoais